CEIA SEM SOFRIMENTO (1)

E-book ‘Ceia sem Sofrimento’ traz Menu 100% Vegetal

Projeto ‘Ceia sem Sofrimento’ da Alianima assinado pela chef Samanta Luz propõe festas mais éticas e acessíveis  – e isso passa por pensar no que comemos.

Com a aproximação das festividades de fim de ano, é inevitável não pensar nos comes e bebes, não é mesmo? As ceias de Natal e Ano Novo são geralmente organizadas com antecedência, afinal, ninguém quer deixar de comemorar em grande estilo (e muito sabor!) com seus amigos e familiares. 

Pensando nessas ocasiões, a Alianima lançou o projeto ‘Ceia sem Sofrimento – Por festividades mais éticas e acessíveis!’, com uma proposta de cardápio sem nenhum produto de origem animal, e financeiramente acessível, com ingredientes familiares à rotina da população brasileira. O projeto é composto por um e-book gratuito com menu completo e o passo a passo das receitas em vídeos.

O objetivo do projeto é mostrar que é possível festejar com sabor, ingredientes de qualidade, preços acessíveis e compaixão aos animais. “Acreditamos que o espírito de renovação do final do ano é um prato cheio para levar a ideia de um consumo responsável com os animais e com o meio ambiente à mesa de mais pessoas, sem deixar de lado o sabor que se espera experimentar nessas ocasiões festivas”, afirmou a diretora de comunicação da Alianima, Sylvia Rodrigues. 

O material é assinado pela chef de cozinha vegana Samanta Luz, que tem formação em gastronomia, agroecologia e macrobiótica, e é, também, influencer digital, com um perfil no Instagram onde publica várias dicas sobre veganismo e alimentação consciente, além de ser multiplicadora do estilo de vida sustentável.   

Baixe agora o e-book na íntegra e BOAS FESTAS! 

Captura de pantalla 2021-11-30 a la(s) 16.18.48

Alianima lança Observatório Suíno 2021

Relatório anual traça panorama do bem-estar de suínos dentro da indústria alimentícia brasileira 

Não importa em qual lugar da cadeia de produção de alimentos de origem animal você está – se você trabalha nos criadouros, na venda ou é consumidor, por exemplo –  te convidamos a acompanhar os avanços das pautas de bem-estar dos animais envolvidos, afinal, eles não merecem viver uma vida de sofrimento constante, não é mesmo? Além disso, todo ser humano é impactado pelo setor de alimentos e têm direito de saber, com transparência, as origens e processos por parte das empresas que lucram a partir da utilização de animais, recursos naturais comuns e mão de obra abundante. 

Por isso, a Alianima lança a segunda edição do Observatório Suíno, um relatório que traça um panorama da suinocultura brasileira em relação ao bem-estar animal. Nessa edição, o relatório foca na evolução no alojamento das fêmeas durante a fase de gestação para baias coletivas na indústria de carne suína brasileira. Também aborda outras questões importantes, como o manejo doloroso de leitões e o uso abusivo de antimicrobianos. 

Divulgar estes resultados publicamente cria relações de transparência entre a indústria alimentícia e o consumidor final, cada vez mais atento à origem dos alimentos que consome. Acesse e compartilhe

Além de lançarmos anualmente este documento, mantemos o Observatório Animal sempre atualizado, uma plataforma onde reunimos os compromissos públicos de empresas alimentícias que buscam promover o bem-estar de aves e suínos no Brasil. Acesse! 

o que é um chester

Afinal, o que é um chester?

Você já viu algum chester vivo? Seria um tipo de frango? Ou apenas uma marca? Desmistificamos aqui todos os mistérios que rondam esse animal, fruto de seleção genética, consumido vastamente nas ceias natalinas brasileiras.

A forma como celebramos o Natal no Brasil é muito curiosa, já que, mesmo com as altas temperaturas, decoramos a casa com pinheiros e flocos de neve, sempre na esperança que o bom velhinho traga – via chaminé que não possuímos – presentes embrulhados com papéis bonitos que rasgamos e jogamos no lixo. O ponto alto dessa celebração que absorveu muito da cultura norte-americana e europeia é a mesa da ceia, geralmente composta por várias opções de carne animal assada, como o peru, o lombo, o tender e o…chester! Esse último, o chester, é um popular advento nacional, mas que assim como outros produtos oriundos de animais de produção, apresenta problemas de bem-estar animal na sua cadeia produtiva por conta da seleção genética e das condições de confinamento.

o que é um chester
Reprodução Google

Para acabar logo com o mito: o Chester® é uma marca registrada da Perdigão. Trata-se da mesma espécie que o frango convencional, só que maior. Com o objetivo de disputar mercado com o peru da Sadia, que na época era concorrente da Perdigão (hoje as duas marcas são da BRF), o Chester é originado de uma seleção genética que promove o crescimento da região do peito maior que o natural e, segundo a fabricante, essa ave tem 70% da carne concentrada no peito e nas coxas. 

O grande problema é que a engenharia genética seleciona características desejáveis para maior produtividade e lucro, e essas intervenções atrapalham o desenvolvimento natural dos animais, gerando problemas locomotores (ósseos e articulares) dolorosos, sobrecarga de coração e pulmões, lesões de pele e nas patas. Isso faz com que as aves deixem de comer e interagir decentemente durante sua curta vida. O abate não foge muito do que acontece com os frangos da indústria alimentícia: o “chester” é abatido com mais ou menos 60 dias de vida, enquanto o frango “comum” é abatido aos 42 dias. 

chester

Por 40 anos (até 2020!), a Perdigão não divulgou imagens de um “chester vivo”, o que gerou muitas especulações e incutiu no imaginário coletivo a ideia de uma espécie de animal única, uma iguaria indispensável, reforçando com essa falta de transparência a dissociação da carne que encontramos nos congeladores dos supermercados com um ser vivo – e nesse caso, um ser vivo selecionado geneticamente que provavelmente sofreu muito para chegar até a nossa mesa enfeitada com pinhas natalinas. 

Que tal repensar sobre a necessidade do chester e todo produto de origem animal na sua ceia? O reino vegetal apresenta diversas opções que farão a sua celebração ser mais acessível para a realidade brasileira e sem sofrimento animal. Baixe agora o e-book “Ceia sem Sofrimento”, um projeto da Alianima em parceria com a Chef Samanta Luz, que apresenta, gratuitamente, um Menu completo 100% vegetal para as celebrações de fim de ano.

Foto: Polícia Ambiental/Divulgação

Caso das búfalas: o hediondo recorrente

Foto: Polícia Ambiental/Divulgação

Apesar de escandalosos, casos como o abandono de mais de mil búfalas no sítio de Água Sumida, município de Brotas (SP), denunciado no início deste mês, não são isolados. Só no Brasil, há diversas denúncias de maus-tratos a animais em larga escala, como os 25 mil bovinos em péssimas condições dentro de um navio a serem exportados para a Turquia, e os 800 jumentos também em estado deplorável numa fazenda de Canudos (BA) em 2019, que seriam posteriormente encaminhados para abate, porém sem nenhuma documentação de origem, sanidade e completamente desprovidos de sombra, água e comida. Mesmo com a rusticidade dessa espécie, a maioria não sobreviveu a tão intensa barbaridade.

Então, por mais hediondos que esses crimes sejam considerados pela sociedade civil, por que continuam acontecendo? O episódio das búfalas consiste em mais uma representação do desamparo, não apenas em âmbito legislativo e jurídico, mas também moral, quando se trata de animais explorados para consumo humano. Tais crimes seriam encarados com muito mais revolta e indignação se tivessem ocorrido com animais de companhia, como cães e gatos. Não que esses não mereçam a referida atenção, mas a atenuação dos fatos evidenciados em piquetes e galpões de fazenda é especista e, consequentemente, injusta. A sociedade reconhece que esses animais sofrem nas circunstâncias reportadas, entretanto muitas pessoas ainda mantêm a distância e o desapego que a pecuária criou. 

A realização da denúncia é um começo, contudo é preciso que diversos atores (produtores, políticos, juristas e consumidores) levem esses casos a sério, analisando aspectos éticos, e não apenas o viés econômico da atividade em questão. São necessárias eficientes fiscalização, responsabilização, punição e ações corretivas.

Enquanto a objetificação dos animais de produção for legitimada pelo agronegócio sem a devida preocupação de como os produtos chegam ao consumidor final, mais manchetes como a dos búfalos e jumentos chegarão aos leitores. A sociedade está começando a entender esse cenário, mas ainda não é o suficiente para os animais.  

Entenda mais sobre o caso aqui. 

Patrycia Sato
Presidente e Diretora Técnica da Alianima

Natal Vegano

Experimente uma ceia de Natal sem animal e bem tropical!

O final do ano se aproxima e, com ele, as comemorações e festas que marcam o período. É época de reunir os entes queridos, renovar os laços e de preparar uma deliciosa ceia para ser compartilhada com eles. Mas será que é possível realizar essa celebração sem ingredientes de origem animal?

Natal Vegano
Reprodução: Feel Good Fodie

Ao falar na ceia de Natal, lembramos logo do peru, do lombo e do tender, não é mesmo? A mesa tradicional é organizada sempre em torno de um assado, costume europeu e americano que logo foi incorporado à nossa cultura. E, talvez por isso, elaborar uma ceia à base de vegetais pareça uma tarefa difícil e tirar a carne do prato cause a sensação de faltar alguma coisa.

Mas e se os vegetais passassem a ser os protagonistas do prato? Nesse caso, ao invés de um prato principal, podemos ter várias preparações com a mesma importância e que se complementam. E claro, dá pra fazer isso trazendo sabores bem brasileiros. Bora tropicalizar a ceia?

Parafraseando a chef Bela Gil, você pode substituir a bacalhoada por batatalhoada, e os assados tradicionais podem dar lugar ao rocambole de lentilha com cogumelos, por exemplo. O tradicional salpicão à base de peito de frango pode ganhar uma releitura com jaca verde desfiada, já imaginou? Esse prato pode levar batata, cenoura, milho, ervilha, rabanete, maçã e o que mais a sua imaginação permitir. Uma boa pedida também é aproveitar os alimentos de forma integral, como a casca da maçã e a rama da cenoura.

E já que está aberta a temporada das passas, que tal adicionar banana passa à sua receita de farofa? Castanhas de caju, do Brasil ou de baru também são uma ótima pedida para dar sabor e crocância ao prato. E essa preparação cai bem com um purê que, para fugir do convencional, pode ser à base de banana da terra ou de raízes, como o cará ou a batata doce colorida. Hmmm, que fome!

ceia vegana
Foto Otávio Pacheco

E você já ouviu falar em PANC? Por que não incorporar à ceia plantas alimentícias não convencionais, flores comestíveis e brotos de forma nutritiva, colorida e nada óbvia? A famosa salada de grão de bico ou feijão fradinho pode vir acompanhada de folhas, como as da taioba e ora-pró-nobis, e ornamentada com flores de capuchinha (que são comestíveis!).

A água do cozimento do grão de bico, a aquafaba, ainda pode dar origem a sobremesas incríveis, como mousses, coberturas para tortas e até um merengue para acompanhar frutas da estação caramelizadas ou as tradicionais rabanadas, que podem ser feitas sem ingredientes de origem animal.

Para quem é dos bons drinks, que tal uma batida de paçoca, com cachaça, leite vegetal e melado, ou uma famosa caipirinha com frutas da época? Outra boa pedida é um vinho nacional vegano, que tal?

É bem provável que existam uma ou mais adaptações vegetarianas das receitas às quais estamos acostumados, afinal, o mundo vegetal é um infinito de possibilidades! 

Uma dica é fazer uma breve pesquisa e adaptar os pratos de acordo com o contexto cultural e regional da sua localidade. Apostando em novas combinações de cores e sabores, esperamos que a sua ceia seja um sucesso!

E mais do que isso, o espírito natalino e de renovação do final do ano é um prato cheio para estender nossa compaixão aos animais e gerar menos impactos negativos para o nosso planeta.

Vamos juntos? Baixe agora o e-book “Ceia sem Sofrimento” e acesse receitas 100% vegetais para suas ceias de fim de ano.

IMAG1-3

ALIANIMA LANÇA CAMPANHA “O FUTURO É LIVRE DE GAIOLAS”

Campanha “O Futuro é Livre de Gaiolas” em prol dos animais explorados na indústria alimentícia pretende buscar mais aliados para a causa 

Ninguém, absolutamente ninguém, deseja viver uma vida de confinamento, privações e sofrimento, não é mesmo? E não faltam provas científicas que comprovam que os animais explorados na indústria alimentícia também não desejam passar por tamanha desventura, e que sofrem quando maltratados e abatidos. Acontece que esses animais não conseguem se defender, e precisam da nossa ajuda para saírem das gaiolas, redes e celas em que foram confinados. 

Porcos, galinhas, frangos, peixes e bois e vacas são animais que, em sua maioria, nascem e morrem em sistemas de produção. Visando a lucratividade, esses animais são muitas vezes submetidos pelos produtores a práticas que não consideram seu bem-estar, como confinamentos cruéis e que condenam suas vidas ao sofrimento e privação constantes. Entretanto, esses animais de fazenda são dificilmente beneficiados por doações dentro da causa animal, onde os animais de companhia, como cães e gatos, são os mais beneficiados. Além disso, a atividade pecuária está intimamente ligada à degradação do meio ambiente, ao aquecimento global e ao aparecimento de epidemias e até pandemias. 

Foi por essas razões e incentivados pelo Dia de Doar 2021 que a Alianima lançou o seu primeiro financiamento coletivo: “O Futuro É Livre de Gaiolas”. O objetivo financeiro da campanha é cobrir todos os gastos audiovisuais da Alianima no próximo ano – recurso cada vez mais indispensável para dar visibilidade aos animais. Além disso, queremos que cada vez mais pessoas conheçam nossa causa e espalhem a mensagem da campanha por aí. As pessoas que doarem recebem recompensas maravilhosas com a arte exclusiva da ilustradora Bruna Martins

Para que o nosso trabalho continue existindo, é imprescindível a doação de pessoas que queiram fortalecer ativamente a causa dos animais explorados na indústria alimentícia. Doar para essa causa é uma afirmativa para galgarmos uma visão antiespecista e não-antropocêntrica na política dos direitos dos animais, e aí sim garantir um #FuturoLivreDeGaiolas para todas, todos e todes!

Curta e compartilhe nas suas redes!

ruben-bagues-bP9CoOFPu8E-unsplash

4 motivos para doar para a causa animal

Doar em prol dos animais de produção possibilita avanços que beneficia a todos


Basta fazer uma busca rápida no Google com a frase ‘doar para a causa animal’ para perceber como as organizações e instituições de resgate e proteção de animais domésticos, como cachorros e gatos, figuram entre as mais procuradas por quem quer fazer uma contribuição aos animais. Essa é uma ação digna e muito necessária, mas você não acha que está mais do que na hora de doarmos nosso tempo e dinheiro também em defesa dos animais criados e usados pela indústria alimentícia?

Porcos, galinhas, frangos, peixes e bois são animais que, em sua maioria, nascem e morrem em sistemas de produção. Visando a lucratividade, esses animais são muitas vezes submetidos pelos produtores a práticas que não consideram seu bem-estar e que condenam suas vidas ao sofrimento constante e à morte prematura. Nessa cadeia de produção, o consumidor não fica isento, uma vez que o alimento que escolhemos colocar no nosso prato é – para quem pode escolher – uma aprovação dos modos de produção que o geraram. Além disso, é importante o reconhecimento que a exploração sistemática dos animais afeta diretamente o meio ambiente e a de todos os animais que nele vivem – incluindo nós, os animais humanos. 

We Animals Media

Mas será que é possível melhorar a vida dos animais de produção? A Alianima garante que sim – e trabalhamos diariamente para que isso aconteça. A Alianima é uma organização de proteção animal e ambiental que atua diretamente para reduzir o sofrimento dos animais de produção e para refrear a degradação de nossos ecossistemas. Para que nosso trabalho continue existindo, é imprescindível a doação de pessoas que queiram fortalecer ativamente a causa dos animais utilizados na indústria alimentícia. 

Veja 4 motivos para você doar agora para a causa animal: 

  1. AMENIZAR NÚMEROS IMPACTANTES 

Você está por dentro dos dados alarmantes da pecuária? Diariamente no Brasil 16 milhões de frangos são abatidos, 130 mil suínos e 79 mil bovinos. Mais números: mais de 90% das galinhas poedeiras (que botamovos) ainda vivem em gaiolas, e 93,8% das populações de peixes estão sendo pescadas no limite máximo absoluto sustentável ou acima dele. Na Alianima, buscamos compromissos de empresas para adotarem práticas menos cruéis, e apoiamos essas empresas com suporte técnico, treinamentos corporativos gratuitos, eventos e análises estratégicas através da nossa expertise em bem-estar animal. Confira os resultados das conquistas no Observatório Animal.

  1. AFIRMAR QUE TODOS OS ANIMAIS TÊM DIREITO A UMA VIDA DIGNA

Uma sociedade justa inclui todos os animais como seres moralmente relevantes, e não como meras ferramentas ou propriedades. Considerando que outras espécies também são sencientes, ou seja, capazes de sofrer, não devemos considerar apenas os humanos ou algumas determinadas espécies, como cães e gatos, como únicas detentoras de direitos. Por exemplo, porcas grávidas não merecem ser confinadas em celas de gestação, e galinhas poedeiras terem seus bicos mutilados. Na Alianima buscamos diálogo contínuo com o Legislativo para obter melhorias no tratamento concedido aos animais de produção no nosso país. Portanto, doar para essa causa é uma afirmativa para galgarmos uma visão antiespecista e não-antropocêntrica na política dos direitos dos animais. 

  1. GARANTIR O FUTURO DA TERRA (E DOS TERRÁQUEOS)

O Acordo de Paris firmado em 2015 prevê a limitação do aquecimento global em no máximo 2oC até o ano 2100. Esse é um desafio para países e empresas, mas também para cada cidadão-consumidor. A pecuária é uma atividade que envolve fontes de emissões de gases de efeito estufa consideráveis, e portanto deve adotar diretrizes urgentes para reverter esse cenário e garantir a manutenção da vida de todos os ecossistemas. Na Alianima criamos conteúdos para engajar a sociedade, de modo que haja conscientização e reflexão sobre os impactos dos nossos hábitos na vida dos animais, no meio ambiente e na nossa própria saúde.

  1. EVITAR QUE VOCÊ SEJA ENGANADO

Toda informação sobre os animais de produção geram consumidores mais atentos e exigentes com a indústria que fornece os insumos para o nosso dia a dia. A publicidade tem o poder de disseminar falsas notícias e dados para que hábitos alimentares sejam mantidos na população, garantindo a lucratividade das empresas envolvidas. O frango é realmente a carne mais saudável? O ovo vermelho é indicativo de uma criação de galinhas livres de gaiolas? Facilitamos o seu papel de consumidor consciente listando todas as marcas comprometidas com o bem-estar animal e anualmente lançamos o Observatório Suíno, um panorama sobre a suinocultura brasileira. 

A doação é a ponte capaz de unir pessoas a causas em que elas acreditam. 

Doe para a Alianima para que melhorias imediatas sejam implementadas na vida dos animais de produção. Contamos com você! 

estudo de caso abrindo as gaiolas

ALIANIMA LANÇA O ESTUDO DE CASO ‘ABRINDO AS GAIOLAS’

Levantamento da Alianima acompanha a transição de empresas para sistemas com galinhas livres de gaiolas

Você sabia que atualmente 142 empresas dos setores alimentício e hoteleiro no Brasil têm compromissos públicos de não utilizar mais ovos e derivados originados de galinhas alojadas em gaiolas? Sim, isso é uma realidade – ainda bem! E você pode conferir quais são as empresas e acompanhar a evolução desses compromissos na plataforma da Alianima, Observatório Animal. Afinal, consumidores coerentes que prezam pelo bem-estar animal devem se manter informados para exigir o cumprimento dos objetivos dentro dos prazos estipulados, não é mesmo?

estudo de caso abrindo as gaiolas

Com o intuito de fornecer ainda mais informações ao setor alimentício e ao consumidor, a Alianima realizou o estudo de caso ‘Abrindo as Gaiolas’, um levantamento com três grandes empresas do setor alimentício (Barilla, AB Brasil e GPA) que já migraram completamente ou estão em processo de transição para sistemas em que as galinhas são criadas soltas, com lotação controlada e aporte de elementos importantes, como poleiros, cama (para banho de terra/areia) e local para ninho. O estudo apresenta estratégias e desafios enfrentados no processo de produção e venda desses alimentos, e é um estímulo para que cada vez mais empresas assumam essas diretrizes que melhoram significativamente a vida dos animais. 

“Esses três casos são emblemáticos e servem de referência para outras empresas do setor que já estão em processo de transição ou planejam iniciar essa jornada. Não há outro caminho. Empresas que não adotarem padrões de bem-estar animal não têm futuro em um mercado consumidor cada vez mais consciente e exigente”, observou Patrycia Sato, médica veterinária e presidente da Alianima.

Não fique por fora desse avanço! Acesse agora o estudo de caso ‘Abrindo as Gaiolas’.

É possível adotar uma alimentação ética desde a infância?

Uma infância vegetariana (e saudável) é possível e mais simples do que parece

Rawpixal

Cada vez mais famílias repensam seus hábitos e adotam uma alimentação ética, inspirando também seus filhos a fazerem escolhas alimentares mais conscientes e alinhadas com os seus valores. E há também muitas crianças que optam por não consumir animais por conta própria, ensinando um novo estilo de vida aos seus pais e familiares.

Mas será que é possível adotar uma alimentação ética desde a infância?

Sim, é possível! Segundo a Academy of Nutrition and Dietetics1 e o Conselho Regional de Nutricionistas da 3ª região (CRN-3)2, a alimentação vegetariana pode ser adotada em todas as fases da vida, incluindo gestação, lactação e infância. Não é uma ótima notícia? 

Uma dieta à base de vegetais bem planejada e, se necessário, suplementada, fornece todos os elementos necessários (exceto a vitamina B12) para o crescimento e desenvolvimento saudável de bebês e crianças, promovendo benefícios à saúde e prevenindo o desenvolvimento das principais doenças crônicas.

A recomendação do Guia alimentar para crianças brasileiras menores de 2 anos3, publicado pelo Ministério da Saúde, é que as crianças vegetarianas, assim como as demais, sejam amamentadas por 2 anos ou mais e exclusivamente até os 6 meses.

Leite materno: o alimento indispensável na nutrição dos bebês

Pixabay

O aleitamento materno deve ser sempre encorajado, pois o leite da mãe é o alimento ideal para a nutrição do bebê, sendo totalmente adaptado às suas necessidades nos primeiros estágios de vida. Além disso, não há diferenças significativas na composição do leite produzido por mães vegetarianas ou não vegetarianas4.

Na impossibilidade do aleitamento materno, há necessidade do uso de fórmulas infantis, feitas à base de leite de vaca, soja ou arroz. É importante ressaltar que o leite de vaca e os leites vegetais não devem ser oferecidos como substitutos ao leite materno ou às fórmulas infantis, por serem pobres em nutrientes e/ou calorias e não atenderem às demandas nutricionais dos lactentes5

A partir dos 6 meses de idade, a introdução alimentar deve ser feita com atenção à escolha e à combinação dos alimentos, de modo a garantir uma alimentação variada e saudável, que atenda as necessidades da criança.

Sociedade Vegetariana Brasileira – Alimentação para bebês e crianças vegetarianas

Além da amamentação em livre demanda, frutas podem ser oferecidas nos lanches intermediários, mas as refeições principais (almoço e jantar) devem conter todos os grupos alimentares, com exceção das carnes, ovos e derivados, no caso das versões vegetarianas. Por isso, é necessário aumentar as porções de leguminosas (como os feijões) e adequar as de cereais (como o arroz) para atingir as recomendações nutricionais.

Fique atento: independente de serem vegetarianas ou não, todas as crianças devem ser acompanhadas por profissionais de saúde para monitorar o seu crescimento e desenvolvimento, bem como orientar sobre sua alimentação e sobre a necessidade de suplementação com vitaminas e minerais. 

Para mais informações, assista à live que fizemos no ano passado com a médica pediatra, endocrinologista pediátrica e mãe Laura Ohana (@medicanavegana), que respondeu às dúvidas mais frequentes sobre o tema. 

Referências

1. MELINA V, CRAIG W, LEVIN S. Position of the Academy of Nutrition and Dietetics: Vegetarian Diets. Journal of the Academy of Nutrition and Dietetics. 2016;116(12):1970-1980. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/27886704/>. Acesso em: 14 out. 2021.

2.  CONSELHO REGIONAL DE NUTRICIONISTAS 3ª REGIÃO (CRN-3). Parecer Técnico CRN-3  nº 11/2015: Vegetarianismo. Disponível em: <https://www.mpba.mp.br/sites/default/files/area/cecom/2019/parecer-crn3.pdf>. Acesso em: 13 out. 2021.

3.  BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Promoção da Saúde. Guia alimentar para crianças brasileiras menores de 2 anos. Brasília: Ministério da Saúde, 2019. 265 p. Disponível em: <http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/guia_da_crianca_2019.pdf>. Acesso em: 13 out. 2021.

4. AMERICAN ACADEMY OF PEDIATRICS COMMITTEE ON NUTRITION. Breastfeeding; Formula Feeding of Term Infants; Nutritional Aspects of Vegetarian Diets. In: Kleinman RE, Greer FR. eds. Pediatric Nutrition, 7th Ed. ElkGrove Village, IL: America Academy of Pediatrics; 2014. p. 41-59; 61-81; 241-264.

5. SOCIEDADE VEGETARIANA BRASILEIRA. Departamento de Saúde e Nutrição. Guia alimentar para a família: Alimentação para bebês e crianças vegetarianas até 2 anos de idade. 2018. Disponível em: <https://svb.org.br/images/livros/alimentacao-para-bebes-vegetarianos.pdf>. Acesso em: 13 out. 2021.

IMAG1

Observatório Suíno: monitorando a evolução do bem-estar animal pela indústria

Iniciativa da Alianima preza pelo compromisso das empresas em implementar melhorias na vida de suínos 

Em dezembro de 2020, a Alianima lançou o primeiro relatório do Observatório Suíno, um panorama da suinocultura brasileira que monitora o avanço de bem-estar dos suínos na indústria. O objetivo principal do relatório é o acompanhamento anual da evolução da transição das empresas que possuem compromissos públicos de banir as celas de gestação na indústria da carne suína brasileira, criando uma relação de transparência com o consumidor final através da divulgação pública desses resultados. 

Na edição de 2020, o Observatório atesta sua importância devido ao cenário gerado pela pandemia do COVID-19, que trouxe consigo um momento de incerteza e um debate ainda mais acirrado sobre a necessidade de transparência e responsabilidade da indústria alimentícia. O levantamento detecta gargalos que estejam ocorrendo nos bastidores das empresas para que os principais pontos que minam a possibilidade de uma transição bem sucedida sejam identificados dentro do prazo estipulado para cada uma das empresas comprometidas. 

O relatório abordou as dez empresas que operaram no Brasil comprometidas em abolir as celas de gestação dentro do escopo definido em cada compromisso. No documento, é possível ver quais empresas responderam ao nosso questionário e contribuíram com uma maior transparência da indústria, também como o anda o processo de implementação dessas melhorias, levando em conta os desafios do setor. 

A Alianima apoia essas empresas com recursos técnicos e análises estratégicas, através da nossa expertise em bem-estar animal. Na nossa plataforma Observatório Animal você pode acompanhar nosso trabalho e ver os compromissos de bem-estar com outros animais. 

We Animals Media

O consumidor tem direito de saber a origem do que está colocando no prato para fazer escolhas que sejam coerentes com seus valores éticos. Para tanto, convidamos a todos que acessem o Observatório Suíno 2020

No último bimestre de 2021, será lançado um novo Observatório Suíno. Fique de olho e não perca as atualizações dessa importante ferramenta que conecta a indústria alimentícia aos consumidores.